Seja Bem Vindo!

A democracia é um sistema sustentado por quatro pilares: a mentira, a hipocrisia, a falsidade e a amnésia!

quinta-feira, 10 de março de 2011

Divagações

                                         É na calada da noite
                                     Que o poeta busca inspiração.
                                     Em divagações,
                                     Organizadas ou desorganizadas,
                                     Esmerila as palavras
                                     Que darão vida
                                     Ao seu canto poético.
                                     Como a lua,
                                     Que penetra pelas frestas,
                                     O poeta sai da sombra
                                     Da lúcida razão.
                                     Enquanto a cidade dorme
                                     O sono da realidade,
                                     Sonhando com a irrealidade,
                                     O poeta inventivo
                                     Soletra o beaba do amor.
                                     Suplicando por vida,
                                     Real e imaculada,
                                     Pernoita sobre o computador.
                                     Divaga alucinado
                                     Pelas esquinas sombrias
                                     Da imaginação pedante.
                                     Supõe ser discípulo
                                     Da beleza oculta
                                     Da vida inebriante.
                                     Colecionador de lástimas
                                     Com sua alma chorosa
                                     Tenta transformar
                                     A noite solitária e sombria
                                     Num dia claro e vibrante.
                                     Emocionado,
                                     Relata divagações
                                     De seu mundo secreto,
                                     Caverna de solidão,
                                     E acertos malogrados
                                     Com a vida.
                                     Perscruta o caminho da lua,
                                     Com seu brilho de cristal
                                     Que abre trilhas
                                     Na escuridão.
                                     Então o poeta feliz,
                                     Vai dormir seu sono justo
                                     Pensando ter cumprido
                                     Um pedacinho de sua missão.
                                     E quando amanhecer
                                     Que as pessoas retomarem
                                     Seus caminhos de realidade,
                                     Após uma noite
                                     De inverdade,
                                     Nem saberão
                                     Que o poeta sozinho
                                     Varou a noite divagando
                                     Tentando dar luz
                                     A escuridão.

4 comentários:

  1. ...DEMAIS Silvera, tô pensando em colocar algumas linhas aqui, colocar o q sai da minha cabeça nos meus momentos de insônia...

    ResponderExcluir
  2. Manda ver, meu amigo... sinta-se a vontade!

    ResponderExcluir
  3. É verdade enquanto dormimos o poeta ´busca dar luz a escuridão e nós ao acordarmos, retomamos o caminho de realidade, após uma noite de incerteza, inverdade` lindo, lindo poema, muito bom Silvio. Parabéns!

    ResponderExcluir